domingo, 22 de fevereiro de 2009

Nem sabemos a sorte que temos...

Se eu vivesse numa ditadura acharia normal, embora discordasse, que alguns dos nossos alunos fossem transportados em autocarros que não cumprem a lei vigente acerca da segurança do transporte de crianças. Que a empresa transportadora considerasse o seu transporte como carreira comum para não ter que cumprir a lei. Que os condutores alterassem os trajectos para escapar ao controlo da policia. Simplesmente para poupar uns trocos até ao dia em que aconteça uma desgraça.
Se eu vivesse numa ditadura acharia normal, embora discordasse, que um pavilhão de uma escola tenha sofrido obras de beneficiação e que continue sem ser usado porque tem um revestimento onde existe um produto proibido, perigoso para a saúde e para o ambiente. Acharia até arriscada a estranha ousadia dos professores de educação física em não querer submeter os seus alunos ao contacto com tal produto.
Se eu vivesse numa ditadura acharia normal, embora discordasse, que um professor seja alvo de um processo disciplinar porque comentou para um jornal local o facto da sua escola estar pior depois de ter sofrido obras de beneficiação. Pior do que estava antes dessas obras.
Felizmente não vivo numa ditadura e precisamente por isso sei que por estes lados, tais coisas só aconteceriam numa suposição idiota e apenas por manifesta desatenção das nossas autoridades.
Estou descansado porque sei que as intervenções nos nossos edifícios são devidamente fiscalizadas e porque sei que a segurança e o bem estar da nossa população está acima de qualquer outra coisa. Tal como a liberdade de expressão.

8 comentários:

  1. já lhe disse isto aqui no seu blogue e mantenho o que disse: o nosso país vive uma ditadura, mais subtil e sem ser frontalmente assumida, o que a torna ainda mais perigosa. Mas ainda havia dúvidas?

    ResponderEliminar
  2. Cheira-me que o costa saiu da casca.
    Há semelhanças entre isto e coisas que se passam cá pelo burgo.
    MST

    ResponderEliminar
  3. Miguel Felgueiras na Assembleia Municipal falou em ética. Não lhe parecia bem que Cabral alterasse o Mapa de pessoal da Câmara a dez meses das eleições.
    O Miguel Felgueiras trabalha na Câmara de Felgueiras, onde a sus prima Fátima Felgueiras é Presidente. COINCIDÊNCIA CLARO.
    O Miguel Felgueiras atinjiu o topo da carreira aos 30 e poucos anos (Chefe de Departamento) a este lugar só se chega lá pelas vias normais depois de mais de 30 anos de casa. COINCIDÊNCIA CLARO.
    Miguel Felgueiras continue a falar de ética porque tem muita moral.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. Libertinagem de expressão é a unica liberdade que existe neste país.

    ResponderEliminar
  6. Os crápulas que pactuam com esse estado miserável de coisas que descreve, são os mesmo que dizem pensar e agir "à boa maneira socialista".

    ResponderEliminar
  7. Atenção ao nível.
    Cuidado com os ataques pessoais.

    ResponderEliminar
  8. Mais a censura ao Magalhães, em Torres Vedras.

    "...existe o estado democratico, existe o estado ditatorial e existe o estado a que chegamos..."

    ResponderEliminar