domingo, 2 de maio de 2010

Mãe


Quem, por noites
Te velou o sono.
E te beijou
A febre, o riso, a dor.
Quem, por anos
Te velou a vida
E te deixou crescer
O sonho, o brilho, o ser.
Quem, por tempos
Te velou o ego
E te tentou conter
A ira, a raiva, o maldizer.
Quem, por choro
Te velou o corpo
E te sofreu partir
A ida, partida, tão só morrer...
O único trabalho
Que uma mãe
Jamais deveria ter!



3 comentários:

  1. Bela imagem! Quem é o autor?
    Abraço!

    ResponderEliminar
  2. Gustav Klimt
    O poema é meu e inédito. Vertido directamente para o blogue.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar